Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

A ideia por trás de spin: A ressureição

Parabéns ao Google pela ressureição de Dian Fossey, spin zooterapêuta, humana
E não há melhor poder do que o poder gestual ou: Não há melhor spin do que o spin gestual
E ficou assim: Não há nada certo
O que está errado por ser o certo
O certo pode ser o errado
Assim como ontem durante a performance no fim do mundo
Local: Cemitério Jardim das Palmeiras
Apresentação: Familia Ribeiro. Ribeiro ou todo o planeta, tanto faz
Início da obra: 13/1/2014, com a destruição da obra quando a mesma foi decretada como encerrada, o que não poderia ter ocorrido, pois que não existe obra que termine morra
Jamais vejam como encerrada uma obra do spin ñ se sabe o q...,,..
..
Imagens da performance quando do inicio fim ou fim início, tanto faz



 



Dian Fossey - A mulher da floresta
« em: 25 de Outubro de 2008 - 14:42 »


Durante quase duas décadas, ela desenvolveu uma campanha apaixonada para salvar da extinção os gorilas da montanha nos montes Virunga, na África Oriental. A sua dedicação determinada fê-la entrar em conflito tanto com os caçadores furtivos como com o Governo do Ruanda.

Dian Fossey estava longe de ser uma pessoa incontroversa. No entanto, os seus amigos mais íntimos consideravam-na uma mulher de bom coração e muito dedicada e chamavam-lhe a Rainha dos Macacos. Devido em grande parte aos seus esforços, os gorilas da montanha na África Oriental deixaram de ser uma espécie ameaçada. No Parque Nacional dos Vulcões, no Ruanda, vivem hoje pelo menos 20 famílias de gorilas, enquanto, nos meados da década de 70, havia apenas metade desse número.

Graças às suas pesquisas sobre o modo de vida e comportamento destes animais, Dian derrubou o mito, inspirado por Hollywood, do temível e feroz King Kong. Começando por observar de uma distância prudente os dóceis gigantes cujos focinhos parecem feitos de couro, ela acabou por se misturar com eles, imitando os seus grunhidos e adquirindo a sua linguagem corporal. Aprendeu assim, por exemplo, a apertar os braços para significar amizade e a abaixar-se para nunca parecer mais alta que o chefe do grupo.

Com o tempo, foi aceite pelos animais quase como um deles, e sentava-se durante horas no seu grupo, mordiscando o aipo-bravo de que ramo gostavam e sendo mesmo autorizada a coçá-los e a catá-los.

O seu interesse por África foi despertado por um jovem admirador rodesiano, mas ela achou que o casamento era um preço demasiado alto por um bilhete para o Continente Negro. Começou então a poupar dinheiro, e em 1963 partiu para África.

Na Tanzânia conheceu o célebre antropólogo Louis Leakey, que lhe perguntou o que queria ainda ver. Ao ser informado de que a sua maior ambição era ver os gorilas da montanha da região vulcânica de Virunga, Leakey quis saber se o interesse que ela sentia era como espectadora ou como jornalista. Uns dias depois, ela via os seus primeiros gorilas. Ao deixar a África, Dian não tinha dúvidas de que regressaria para passar a sua vida com os animais. Quatro anos depois, com um subsídio da National Geographic Society, ela criava a Estação de Investigação de Karisoke.

Os nativos chamavam-lhe nyiramachabelli, "a mulher solitária da floresta". Avançou muito nos seus estudos sobre os animais e deve-se-lhe grande ajuda em salvá-los da extinção. Os seus motivos e os seus métodos continuam, porém, sujeitos a discussões. O seu relacionamento extremamente pessoal com os gorilas da montanha ultrapassou não só o interesse científico como a afeição normal que a maioria das pessoas sente pelos animais. O seu amor pelos gorilas contrastava nitidamente com o ódio implacável que nutria pelos caçadores furtivos, que destruíam o habitat e matavam os animais: perseguía-os inflexivelmente, confiscando-lhes as armas e até chicoteando-os pessoalmente.

Em breve entrava em conflito não só com os caçadores furtivos, mas também com as autoridades do Ruanda, que esperavam abrir ao turismo o espectacular parque vulcânico, ao que Dian se opunha firmemente. Os seus gorilas não eram exemplares de jardim zoológico, e ela ameaçava atirar sobre qualquer turista que se aproximasse da sua estação. Esta dedicação inabalável acabou por arranjar-lhe muitos inimigos - entre eles, sem dúvida, o assassino desconhecido que a matou brutalmente em Dezembro de 1985.

Dian foi sepultada ao lado de Digit, o seu gorila predilecto, no cemitério que ela mesma fez para aqueles que eram a sua única família!

Gorillas in the Mist é um filme verídico que retrata a história e a vida de Dian Fossey, mulher empenhada e lutadora, que nunca desistiu do seu sonho e que foi o causador da sua morte! 


FONTE: http://www.portaldascuriosidades.com/forum/index.php?topic=62271.0



Este post é destinado a ser publicado no dia 2 http://www.josecarloslima2.blogspot.com
E o dia 1 já foi habitado http://www.josecarloslima1.blogspot.com


10 > 6 = 16 ou  resgate ou recuperação ou  ressurreeição






Nenhum comentário: